iniciar sessão

Ensaios

Honda NC700X

  • Publicado em Ensaios
  • Visualizações: 3440

Honda NC700X

Pela primeira vez a equipa do espírito | Honda teve a oportunidade de testar um veículo de duas rodas, dando assim os primeiros passos num projecto que promete, assegurado pelo apoio da Honda Portugal que nos disponibilizou durante uma semana a Honda NC700X equipada com C-ABS a qual tive a oportunidade de testar fazendo mais de meio milhar de quilómetros em percurso e condução mistos.

A moto desde o primeiro olhar que lhe deitamos capta o nosso interesse. Seja o aspecto trail agressivo que apresenta ou pela cor vermelha do modelo disponibilizado, algo pede a nossa inteira atenção.

Olhando detalhadamente reparamos no enorme tanque que afinal é um porta bagagens onde está pensado acomodar um cadeado em “U”, o kit de ferramentas e um capacete integral. Este espaço é ideal para colocar os acessórios necessários para o uso diário da mesma como por exemplo o equipamento para a chuva, dispensando assim o uso de uma Top Case ou parecido.

O cockpit é simples mas contém toda a informação necessária no sítio certo. Na manete esquerda são de evidenciar o botão dos 4-piscas (não usual em motos deste segmento) e a posição do sinal de passagem que por razões de custo passou para a mesma patilha das luzes de estrada, sendo activado com o polegar e não como tradicionalmente com o indicador da mão esquerda. No primeiro contacto com a moto a leveza e a posição de condução surpreendem, transmitindo uma sensação de confiança imediata ao arranque.

O test-drive realizado foi dividido em três fases no qual a primeira foi baseada essencialmente nos aspectos mais divertidos tais como aceleração, travagem e agilidade. Para tal foram percorridos 150 quilómetros em condução mais agressiva (sem olhar a consumos) nas curvas da Serra de Sintra e teria sido ideal ter no falso tanque uma câmara fotográfica para captar o meu sorriso de orelha a orelha ao chegar ao Cabo da Roca.
A moto permite uma condução extremamente divertida e emocionante contudo naquelas pequenas rectas entre curvas obriga a uma subida de caixa (devido à baixa rotação máxima) e solta a traseira em demasia ao afundar-se na suspensão da frente durante a desaceleração antes da próxima curva. A posição de condução mais desportiva implica um deitar por cima do tanque e um escorregar lateral no selim pelo que se pode esquecer qualquer tipo de conforto neste tipo de condução.
Bem deitado atrás do minúsculo vidro de protecção lá chegou, com esforço, aos 189 km/h.

A segunda fase teve em vista analisar a moto em percurso de viagem / passeio nomeadamente, conforto e consumos. Infelizmente a posição de condução demonstrou que os apoios dos pés do condutor estão demasiado atrás, provocando assim a pessoas maiores (eu tenho 1,82 m) um escorregar constante no banco para a frente o qual tem que ser combatido com pressão constante nas coxas o que no percurso de 250 km levou a cansaço e dor muscular.
A viagem a baixo regime em todas as mudanças, tendo em vista a poupança no consumo, foi agradável e divertida a todos os momentos. Potência sempre disponível quando necessário para ultrapassar e confiança transmitida pela moto que permite de imediato atravessar todos os engarrafamentos existentes no caminho.
A velocidades moderadas em estradas nacionais é possível viajar com a viseira aberta e relativo conforto mas a velocidades superiores a pouca protecção aerodinâmica torna-se evidente e o agarrar ao volante para não se ser projectado da moto passa a ser a principal tarefa. Muitos Kms feitos em 5 horas que levaram a uma dor respeitável no meu “mais valioso” com um consumo impressionante de somente 3,13l/100Km!

A terceira etapa, depois de recuperar, baseou-se  numa utilização diária a dois e a moto demonstrou-se indiferente ao facto de andar com pendura. Claro que os 48 cavalos perdem a sua elasticidade mas nunca senti a falta de resposta do agregado em todos os km percorridos.

A Honda ao lançar este modelo, de facto criou uma excelente moto que permite uma condução instrutiva com erros, sendo assim uma opção para primeira moto de recém encartados (que futuramente pedirão mais) ou como segunda moto para o dia-a-dia. Contudo, para motards feitos, falta-lhe aquela rotação, potência, agilidade e conforto que as grandes "irmãs" proporcionam.

Não posso deixar de referir que o excelente consumo, preço de aquisição e manutenção, juntamente com o gozo de condução fazem desta moto, de momento, a minha moto de eleição.

 

Pontos positivos:
- Facilidade de condução
- Custo de manutenção
- Consumo

Pontos negativos:
- Rigidez da suspensão traseira
- Conforto

 

Honda NC700X
Honda NC700X
Honda NC700X
Honda NC700X
Honda NC700X
Honda NC700X
Honda NC700X
Honda NC700X
Honda NC700X
Honda NC700X
Honda NC700X
Honda NC700X
Honda NC700X
Honda NC700X
Honda NC700X
Honda NC700X
Honda NC700X
Honda NC700X
Honda NC700X
Honda NC700X
Honda NC700X
Honda NC700X
Honda NC700X

 

Texto : Paulo Wippert