iniciar sessão

Notícias

Honda CRF450R 2015

Honda CRF450RDesde a sua introdução em 2002, a Honda CRF450R combina potência útil com controlo total, redefinindo a palavra equilíbrio, do ponto de vista do piloto, seja profissional ou amador, permitindo retirar a máxima performance, dele e da moto. Este modelo tem comprovado ser, a todos os níveis, um conjunto excelente, com a sua fiabilidade, longevidade e qualidade de construção posicionando o modelo como uma das principais referências do segmento.
E a sua evolução não tem parado; todos os anos desde o seu lançamento, a Honda tem actualizado este modelo graças ao seu abrangente programa mundial de competição. Em 2013, a CRF450R recebeu um importante desenvolvimento com um quadro totalmente novo, permitindo uma melhor centralização de massas para acomodar a forquilha a ar KYB USD, e para ajudar o piloto a reduzir os tempos por volta e a curvar mais facilmente, tanto em terra, como no ar.
Em 2014, o modelo apresentou novamente uma série de alterações de pormenor na suspensão e no motor, graças ao feedback obtido da sua utilização em competição. Para a época de 2015 os engenheiros da equipa de desenvolvimento da Honda introduziram-lhe de novo pequenas alterações, mas são alterações que fazem uma ENORME diferença e a nova CRF450R – à saída do stand – é tão parecida quanto possível com a sensação dada pela moto MX1 de fábrica.

 

Generalidades do Modelo
As características do monocilíndrico de 449 cm³ foram consideravelmente alteradas, para melhor entrega de potência e sensibilidade da tracção na roda traseira, logo desde baixa rotação e maior potência de pico graças à cabeça de motor que foi redesenhada pela HRC, ao novo colector e silenciador de escape e à programação do sistema de injecção dupla PGM-FI. Foram acrescentadas outras actualizações ao nível da transmissão, do pistão e da cambota, melhorando a duração a longo prazo. Os novos radiadores aumentam a refrigeração do motor.
Trabalhando em conjunto com as alterações no carácter do motor, o Botão de Selecção do Modo de Funcionamento do Motor (EMSB) oferece três modos de utilização, uma inovação Honda em termos de off road, oferecendo ao piloto a possibilidade de escolher entre 3 modos de condução, mediante um botão colocado à direita no guiador. O Modo 1 oferece a combinação standard de programas da ECU, o Modo 2 permite um controlo suave do acelerador e o Modo 3 disponibiliza toda a potência de forma agressiva e responsiva.
Tendo redefinido as regras relativas à sensibilidade da suspensão dianteira há já 2 anos, a forquilha pneumática de molas (PSF) KYB de 48 mm evoluiu agora para o nível seguinte (PSF2) e recebeu componentes internos redesenhados mais leves, mais aproximadamente 10% de redução no atrito. Os amortecimentos em extensão, a alta e a baixa velocidade, são, agora, também ajustáveis, graças aos novos afinadores no topo da forquilha, colocados junto dos outros afinadores; o conjunto dos afinadores da suspensão traseira também foi revisto.
À frente, o disco redesenhado de 260 mm substitui a anterior unidade de 240 mm, enquanto o quadro dupla trave em alumínio, o braço oscilante e a suspensão traseira Pro-link permanecem inalterados. O novo esquema gráfico e os agressivos pneus Dunlop MX52 completam o quadro da CRF450R para 2015 e, tal como tudo o resto, colocam-na ainda mais perto da moto dos pilotos de fábrica do HRC.

 

Características-chave

Motor
O aumento da potência e do binário logo desde baixa rotação, com uma entrega suave e linear na gama de média rotação, a maior potência de pico e a rotação extra no extremo superior da faixa são o resultado directo do trabalho dos engenheiros responsáveis pelo projecto de desenvolvimento. Isto dá ao piloto a confiança para acelerar mais cedo, com uma tracção consistente em curva e a rotação extra na gama alta para reduzir as passagens de caixa. A potência de ponta aumentou 0,9 kW, para os 39,5 kW às 9.000 rpm, com o binário máximo de 48 N·m a surgir às 7.000 rpm.
A nova cabeça Unicam de 4 válvulas e o escape redesenhado são os principais responsáveis por estes aumentos nas prestações do motor. A cabeça foi fabricada segundo as especificações de competição da HRC para a época de 2014 e apresenta aberturas de escape com saída para a direita, em vez de para a esquerda.
Isto permite usar um colector de escape mais curto e optimizado, que já não tem de rodear o quadro, reduzindo o comprimento em 320mm. Os dois silenciadores de escape também têm maior diâmetro interior. O sistema de injecção dupla PGM-FI foi revisto de forma a complementar a maior eficiência do motor.
Para um piloto amador, o sistema EMSB da Honda é um enorme contributo para a vitória em prova. A novidade neste campo é que, em vez de preparar a moto durante a semana e esperar pelo melhor resultado na prova (ou então, levar um computador portátil para a pista), o piloto – consoante as condições da prova – apenas tem de parar com o motor ao ralenti e carregar durante cerca de um segundo no botão para seleccionar o mapa seguinte na sequência.
O LED de alta visibilidade incorporado no botão de baixo peso indica qual o mapa que está em uso, mediante uma simples pressão e de um número subsequente de piscadelas. Quando o piloto selecciona um novo mapa, isso também lhe é confirmado.
O Modo 1 usa uma combinação standard de mapas de ignição e de alimentação de combustível, oferecendo uma entrega equilibrada de potência e binário. O Modo 2 foi pensado para utilização em pistas escorregadias e com lama, oferecendo um fantástico controlo do acelerador, com uma sensibilidade fácil de gerir e extraindo toda a tracção da roda traseira. O Modo 3 é puro e duro, com uma potência de pico agressiva e responsiva, facilitando a pilotagem em terrenos de areia funda e macia. Através do equipamento de um conjunto d ferramentas opcionais do HRC (hardware e software), o piloto pode personalizar ainda mais os Modos 2 e 3.
A arquitectura interna do motor não foi alterada: o diâmetro e curso medem 96 mm x 62,1 mm, com válvulas de admissão de 36 mm de diâmetro e de escape de 31 mm de diâmetro. A relação de compressão é de 12,5:1 mas a rampa injectora de 46 mm usa uma nova mola de retorno do acelerador, oferendo uma acção mais leve e menos cansativa.
As outras actualizações dos componentes internos foram concebidas para aumentarem a durabilidade. O material do cárter esquerdo é mais espesso à volta do apoio da cambota e do ponto pivot. Para fazer face ao aumento da potência, o pistão partilha o mesmo processo de tratamento térmico que se encontra na CRF250R. Agora, todos os carretos, com excepção do carreto da 1ª, são fabricados em Nichel Chrome Molibdenium - Níquel, Crómio e Molibdénio).
Desenvolvida pela Honda noutras áreas de fabrico, esta liga é 10% mais resistente do que a liga SCM (Steel Chrome Molibdenium - Liga de Aço, Crómio e Molibdénio) que vem substituir, sem penalizar o peso. Foram adicionados 20 g ao volante magnético do alternador, com o resultante aumento de 4,5% na inércia – de 7,75 para 8,1 kg/cm² – melhorando a sensação de binário do motor.
Graças à revisão do layout do escape, as dimensões dos radiadores esquerdo e direito foram invertidas, com o radiador maior agora do lado esquerdo. O passo entre as alhetas dos radiadores foi estreitado, de 3,75 para 3, mm, criando uma estrutura mais densa e com maior área de superfície, para melhor eficiência de refrigeração.

Ciclística
O quadro dupla trave em alumínio de sexta geração, com 9,35 kg de peso foi concebido desde o princípio à volta da forquilha KYB PSF de 48 mm, melhorando as performances da suspensão dianteira (em comparação com a suspensão de molas de aço) e oferecendo uma soberba aderência lateral do pneu dianteiro e excelente capacidade de curvar.
Agora na sua segunda geração, a forquilha KYB PSF2 liberta todo o seu potencial, revelando as vantagens em termos de transições direccionais de curso, entre compressão e extensão. Cada coluna da forquilha tem uma estrutura revista de cartucho "vertical", com pistão de 32 mm e permite poupar 200 g na importante área do peso não suportado, enquanto, em termos de amortecimento em compressão, o novo desenho usa uma carga de pressão interna para eliminar o material de vedação. Isto permitiu reduzir o atrito em 10%, originando uma suspensão dianteira com aquela sensibilidade e respostas tão importantes de "moto de fábrica".
Uma estrutura de lubrificação forçada distribui o fluido entre as secções interior e exterior durante compressão, através de uma válvula de retenção, reduzindo o risco de fugas de ar e mantendo o rolamento lubrificado. O curso permanece nos 310 mm.
Para uma utilização melhorada, a forquilha KYB PSF2 também inclui todos os afinadores de forma integrada nos novos tampões em Alumite no topo da forquilha; os afinadores da compressão a alta e baixa velocidade e os afinadores do amortecimento em extensão a alta e baixa velocidade estão separados, nos lados esquerdo e direito de cada tampão. A pré-carga é afinada através de uma válvula de ar Schrader.
O quadro de massas centralizadas e o baixo centro de gravidade da CRF450R permite reduzir a inércia física, com melhor estabilidade a alta velocidade Os 27,067° de inclinação, os 116 mm de eixo de arraste e os 1.492 mm de distância entre eixos oferecem fantásticas capacidades de curvar e maior sensibilidade da tracção disponível, num conjunto cujo peso em ordem de marcha não ultrapassa os 111 kg. O braço oscilante em alumínio oferece enorme rigidez para menor deflexão nos sulcos e melhor tracção à saída das curvas.
Esta unidade trabalha num amortecedor traseiro KYB; a vantagem da centralização de massas nesta área é a redução da inércia no movimento longitudinal ao longo da linha central da moto. Isto possibilita travagens mais fortes com melhor estabilidade. Tal como, a forquilha PSF2, a unidade traseira concentra os afinadores – da compressão a alta/baixa velocidade e amortecimento em extensão – por cima do reservatório, para acesso mais fácil. A posição é de 133,5 mm, num curso de eixo de 315 mm.
A disposição inteligente dos componentes no quadro contribui para a centralização das massas; todos os componentes eléctricos – a ECU, o condensador, o rectificador e a cablagem – são de baixo peso e estão colocados em posição central por baixo do corpo do acelerador.
A disposição dos elementos no quadro da CRF450R de 2015 mantém e reforça a "personalidade" de máximo de homem/mínimo de máquina que coloca em primeiro lugar e acima de tudo as necessidades do piloto. A ergonomia eficiente está bem patente no coração deste novo formato da CRF450R.
Confirmando este facto, os resguardos do radiador, as tampas laterais, o banco e o depósito do combustível oferecem uma transição delgada, suave e contínua, permitindo ao condutor uma enorme liberdade e flexibilidade de movimentos. Os novos autocolantes CRF e os pormenores reflectem na perfeição o aspecto de moto de fábrica. Outra alteração de pormenor é a utilização de grelhas pretas nos radiadores, num local difícil de limpar. O novo design simplificado da tubagem de combustível ajuda à limpeza e a manutenção; a capacidade de combustível é de 6,4 litros.
O disco ondulado de maior dimensão (260 mm) oferece melhor dissipação térmica e uma maior sensibilidade da pinça de dois pistões que com ele trabalha; este conjunto é completado na traseira por um disco também ondulado de 240 mm e uma pinça de um pistão. As novas protecções da forquilha e a cobertura de duas peças para o disco são brancas, com as guias dos travões dianteiro e traseiro agora a preto.
As jantes de baixo peso em alumínio, com raios de ligação directa reduzem o peso não suportado; a roda dianteira é de 21 x 1,6 polegadas e a traseira é de 19 x 2,5 polegadas. Ambas as rodas montam agora pneus Dunlop MX52F/MX52, que oferecem uma aderência soberba, numa diversidade de pisos com superior absorção dos impactos das paredes laterais e do design de carcaça rebaixada, juntamente com maior durabilidade.
Opcionalmente estarão disponíveis diversos conjuntos de peças de manutenção para o modelo 2015.

 

Especificações técnicas

Motor
Tipo: 4 tempos, monocilindrico, Unicam
Cilindrada: 449,7cc
Diâmetro x Curso: 96,0mm x 62,1mm
Compressão: 12.5 : 1
Potência Máxima: 53cv / 39,5KW / 9.000 rpm
Binário Máximo: 48Nm / 7.000 rpm

Alimentação
Tipo: Injecção de Combustível
Depósito de Combustivel: 6,3L

Sistema eléctrico
Ignição: Totalmente transistorizada
Arranque: Pedal

Transmissão
Embraiagem: Multi-disco banhada em óleo
Tipo: 5 Velocidades de engrenagem constante
Transmissão Final: Corrente

Quadro
Tipo: Dupla trave em alumínio

Ciclística
Dimensões (LxWxH): 2.188mm x 827mm x 1.271mm
Distãncia entre eixos: 1,492mm
Ângulo da coluna de direcção: 27°40’
Trail: 114mm
Altura do Assento: 952mm
Distância livre ao solo: 329mm
Peso em ordem de Marcha: 111kg

Suspensão
Frente: Forquilha invertida Kayaba PFS2 de 310mm a ar, completamente ajustável
Traseira: Sistema Honda Pro-link, com mono amortecedor Kayaba completamente ajustável, e 315mm de curso de eixo

Rodas
Frente: Jante de alumínio com Raios
Traseira: Jante de alumínio com Raios
Pneu Frente: 80/100-21 Dunlop MX52F
Pneu Trás: 120/80-19 Dunlop MX52

Travões
Frente: Disco hidráulico de 260mm
Traseiro: Disco hidráulico de 240mm

Fonte: Honda Portugal